24 de julho de 2011

Coração de mãe...


Eu já havia escrito sobre algo parecido aqui 




Todos os dias quando eu acordo ele é a primeira pessoa que eu vejo.
É o maior amor desse mundo, é inexplicável.
Hoje a tarde enquanto eu o observava dormir, me perguntei: Será que um dia esse amor mudará?
Será que quando vier o 2º ou o 3º o que eu sinto vai mudar? Será que o amor que sentimos por TODOS os nossos filhos é EXATAMENTE igual?
Só tendo para saber, entender, sentir.

Nas minhas orações eu peço a Deus que eu consiga amar todos meus filhos da mesma maneira. Se não for para ser assim prefiro não ter os próximos. Peço todos dias para que eu nunca erre com eles na quantidade de educação e atenção. Espero conhece-los e entende-los com seus 5, 15 ou 50 anos.

Espero nunca diferencia-los, mas sim ser justa com todos.
Não passar a mão na cabeça quando errarem, e agradecer quando precisar.
Espero ver, e saber lidar lidar com isso.

Esses dias questionei ao meu marido se realmente toda mãe é CEGA, cega para não ver quando o filho, erra, quando age com maldade, enfim...
Conheço mães assim, dura com os bons filhos, super protetora com os filhos "piores" filhos.
Um bom exemplo é o caso da Wanda, Léo e do Pedro na novela Insensato coração. Será que vcs conseguem me entender?
Eu vivo perto dessa realidade da novela, minha mãe sempre defendeu meu irmão mais velho, mesmo ela sabendo o quão errado ele estava, será que isso é o suficiente para eu fazer diferente?

Há poucos dias sentei pra conversar com a minha mãe, desabafar, e pela primeira vez na vida ela me ouviu, aconselhou e me apoiou, sem julgar, sem questionar, sem me deixar pra baixo. Isso nunca tinha acontecido, ela sempre foi super dura comigo, e enfim o dia em que ela realmente me deu "colo" eu fui tão feliz.

Espero ser justa no amor, educação, respeito, agradecimentos.
Guia-los para vida, educa-los, ensina-los a importância de ser humilde e pedir desculpas.
Quero sempre ouvir meus filhos, e independente da idade deles saber a hora de "puxar" a orelha, e reeduca-lo se preciso.

Enfim, sempre serei mãe, vou errar e acertar, mas de todos os meus erros e acertos quero fazer bem as minhas crias, deixa-los confortáveis comigo e felizes com meu apoio, sempre!

E vc? Qual a sua opinião sobre amor de mãe?

5 comentários:

Lu,mamãe do Deko e da Leka disse...

Oi concordo com vc,amar não acher que o filho esta sempre certo que é um ajo,mas sim estar ao lado deles orientar sempre no certo ou errado,eu tenho dois filhos meus medo era não amar ambos da mesma forma,mas garanto que sinto o mesmo amor sem tirar nem por nada por ambos...beijinhos

Eu e MEUS 3 AMORes disse...

Daria para escrever um livro sobre isso, minto, daria para escrever uma verdadeira enciclopédia. Mas na verdade é só tendo para saber. Antes de ter o Bruno eu ficava imaginando como seria "amar igual" meu outro bebê que não fosse o Daniel. Como já vi outras mães comentarem, eu também sofria com a ideia, pq meu amor pelo Daniel era algo intenso demais, achava que não saberia dar isso para outra pessoa. Aí eu descobri que não existe amor igual, o que é igual é a intensidade desse amor. "Quanto" eu amo eles? Meu amor por eles é igualmente infinito e não cabe no peito de tão grande, mas eles são pessoas diferentes. Nascemos assim, (graças a Deus né..rss) diferentes uns dos outros. O que acontece é que há mães que tem sabedoria para lidar com essas diferenças, outras não sabem e ainda outras que não sabem, mas procuram todos os meios para saber como lidar com essas personalidades tão diferentes.
Na minha opinião, em 1º lugar, a mãe deve admitir essas diferenças e não fazer disso um tabu ou fingir que não vê se escondendo na mentira que trata todos igualmente. Aliás, cada um tem sua necessidade diferente do outro, um precisa de mais disciplina, outro de mais atenção nas tarefas da escola, outro de mais diálogo e assim vai. Tem que ser sensível à essas necessidades e dosar na medida do possível. Acima de tudo, lembrar que nós mesmas somos imperfeitas e como você disse recomeçar e recomeçar quantas vezes for preciso. O que não vale é passar por cima das evidências e negligenciar uma das crias.

Bjss

Carolina Rodrigues disse...

Sei bem oq ue vc esta falando amiga ,quando tive a Sarinha descobri o verdadeiro amor e depois disso achei que nao saberia amar ninguem como a amava, ate que um adia fiquei gravida de uma outra menininha linda Jujubinha que veio para me mostra que existe mais de um amor maior.
bjuxxxx pra vcx
Carol Sarah e Jujubinha

Sra. Mari disse...

Concordo Di ... a criança nao pode dominar a situação. E a mãe tem q ficar esperta pra ver se o que a criança faz é errado ou certo.
Lógico q ninguem é perfeito e até as mães erram, mas fique tranquila tenho certeza q vc sai e sairá muito bem!
Só de voce ter essa preocupação já conta a favor.

bjocas

disse...

Amiga Dina,
Achei que seria aquela mãe certinha, cheia de regras... eu até tento, mas muitas vezes o sentimento domina e eu desando... confessoq uee stou muito molenga, bobona desde que voltei ao trabalho. Parece que quero compensar a saudade e a culpa, daí agarro muito, beijo muito, durmo agarrada e to sempre grudada. Mas hoje acho que ser mãe é procurar um equilibrio, é ensinar e aprender a cada segundo...
Beijos!!!