24 de novembro de 2010

Sobre deixar chorar.



Essa semana li o um post de uma mamãe que relata a maneira a qual reagiu com a mau-criação do seu filho. A mesma se questiona no post, isso me fez procurar artigos, postagens sobre essa teoria do deixar chorar.
O que ela questiona é deixar chorar como castigo, no berço. Tipo, deixar a criança no "cantinho da disciplina" seja cadeirinha, berço, cercado. Enquanto o bebê chora, a mãe conversa até que ele se acalme, só assim é tirado dali.

Nós duas conversamos muito e não concluimos nada, se é certo, se não é.
  
Eu não sei se deveria deixar, mas eu não deixo Felipe chorar, não o coloco de castigo.
  
Confesso que já o deixei chorando, mas li sobre como isso é prejudicial, acreditei no que li e mudei.

Hoje quando ele "apronta" seguro no rostinho dele e falo o tal do NÃO bem firme. Ele muitas vezes me ignora, sai andando, manda beijo.
  
Tem dias que preciso tira-lo 20 vezes de um determinado lugar, bloquear a passagem, outras preciso falar não 300 vezes.
  
Aprendi a distrai-lo. Se ele quer o controle da TV, eu tiro dele por que não é brinquedo, ele chora, então ofereço um brinquedo, brinco com ele e logo ele se esquece do controle.
  
Quando nada funciona, eu pego ele no colo, converso, falo falo falo, mesmo ele não me dando bola, mas no meu coração algo me diz que as minhas palavras entram na cabeça dele.

Sobre alguma mau-criação, não sei se o Felipe já fez, mas eu acredito que não. O ponto que a essa mamãe toca no post dela é a punição quando a bebê age com violência, morde, belisca...

Sobre os tapas por ex. eu conversei com várias pessoas com filhos na idade da do Felipe e todas me disseram passar por isso. Conclui que não é normal, mas é uma fase. Então, eu acredito que não tenha motivos para puni-lo ou encarar esse fato como mau-criação.
  
Hoje quando ele me "estapeia", eu sempre peço um beijo... falo "assim não, tapa dói, faz carinho!" E aqui tem dado certo. Os espancamentos que eu sofria já estão diminuindo, alias, já quase não acontecem.
  
O castigo aqui em casa ainda não existe, eu acredito que ele ainda não entenda isso, no máximo coloco ele no cercadinho por alguns minutos, se ele chora dou um único brinquedo e pronto ele fica lá. Mas sem choro, sem resmungos.
Quando preciso fazer algo, tipo almoço, e ele não se comporta enquanto solto vai pra cadeirinha de refeição, ele resmunga sim, mas logo coloco ele perto de mim e ficamos ali "conversando".

Não uso a cadeira e nem o cercadinho como castigo, uso apenas como uma maneira de deixa-lo seguro enquanto preciso fazer algo.

Eu já errei, pra mim deixa-lo chorar foi errado.

Claro que tem dias que aquele chorinho de manha cessa assim que eu viro as costas, então eu finjo que não estou vendo.

Cada pessoa tem sua maneira de ver as coisas, cada um segue o que cre, faz o que acha certo.

Estou ansiosa pra ver o desfecho da história dessa mãe que citei no inicio, eu espero que ela encontre a resposta que o coração dela procura. Eu já encontrei a minha resposta.

E vcs meninas? Como castigam ou repreendem seus filhos?

Um video pra descontrair esse assunto polêmico, a série Mothern até tirou um sarrinho hehe:


video

Segue a baixo um artigo super bacana:

Deixar o bebê chorando x desenvolvimento cerebral

Deixar o bebê chorando pode prejudicar o desenvolvimento do cérebro, dizem especialistas Neurobiólogos dizem que altos níveis de cortisol, hormônio do stress, são nocivos para o desenvolvimento cerebral, de acordo com Penelope Leach.

Deixar um bebê aflito chorando regularmente pode ser prejudicial ao cérebro em desenvolvimento, de acordo com a especialista em educação infantil Penelope Leach, cujo novo livro será visto como uma confronto direto às teorias de condicionamento de bebês, tais como Gina Ford , que dizem que os pais devem "treinar" os seus filhos, permitindo-lhes chorar sozinhos para dormir.

Leach traz a ciência em seu auxílio, que ela diz ter progredido consideravelmente nos últimos anos. Usando testes de saliva, os cientistas foram capazes de medir os níveis elevados do hormonio de stress, o cortisol, em bebês cujos choros/gritos desesperados não obtiveram resposta da mãe, pai ou outro cuidador. Neurobiólogos dizem, segundo Leach, que os níveis de cortisol elevados são nocivos para o cérebro em desenvolvimento.

"Não é uma opinião, mas um fato que é potencialmente prejudicial deixar os bebês chorando. Agora nos sabemos disso, por que arriscar?" Leach diz em seu livro - The Essential First Year – O que os bebês precisam que os pais saibam.
Ela não esta dizendo que o choro é ruim para os bebês. "Todos os bebês choram. Alguns choram mais do que outros." Mas o choro, no primeiro ano ou mais, é a única maneira que um bebê obter uma resposta. Negar uma resposta, argumenta ela, pode ter consequencias emocionais a longo prazo.

"Estamos lidando com as expectativas de que o cérebro de um bebê está crescendo. A razão pela qual os bebês criados em regimes de rotina rigida dormem, geralmente com menos e menos choro, é porque eles desistem de obter resposta dos cuidadores mais e mais rapidamente. Seu cérebro adaptou-se a um mundo em que eles não são respondidos ", diz ela. "Esse tipo de ansiedade precocemente induzida pode estar relacionada com a tendencia à ansiedade na vida adulta."

As teorias de Ford sobre educaçao infantil tendem a ser amadas ou odiadas. Conhecida como a Rainha da Rotina, Gina Ford - uma babá treinada que não teve filhos - defende rotinas rígidas para treinar a criança em um padrao regular de alimentaçao, acordar e dormir. Ela aconselha que os pais podem deixar um bebe chorar por um tempo, se ele está limpo, alimentado e arrotou. Quando eles colocarem um bebê pra dormir à noite, eles podem retornar se ele chorar, mas sem fazer contato visual. O livro Contented Little Baby foi publicado em 1999 e continua a ser um best-seller.
Mas Leach diz que bebês choram por um motivo - seus pulmões não precisam de exercício.
Os bebês não tem capacidade de fazer chantagem em seu primeiro ano ou 1 ano e meio, embora os pais muitas vezes interpretam seus chamados dessa maneira. E deixá-los chorando para dormir é muito duro para os pais também”, diz ela.

"Se há um motivo para escrever este livro é mandar a mensagem de que todo o processo pode ser muito mais confortável para os bebês e para os pais", diz ela.
"Isto é o que eu não aprecio sobre as teorias opostas, que enfatizam sempre a facilidade dos pais. É tão difícil para todos. Nós não temos muitas pesquisas mostrando que tantas crianças de sete anos de idade estão desesperadamente mais ansiosas. Mas eu tenho visto mães realmente lutando com o sistema de deixar chorar. "

Ela diz que não conhece nenhuma pesquisa no mundo que suporte um sistema de deixar os bebês chorar. "Eu não acredito que é a ciência", diz ela.
Ela entende a atração das teorias de Ford e outros. Ser um pai no mundo moderno, onde o ritmo de vida é implacavelmente rápido, é muito difícil, diz ela. Alguns querem saber como podem fazer seu bebê encaixar-se em suas vidas, ao invés de perturbar-lhes, tão rapidamente quanto possível.

Mas, diz Leach - reconhecendo que é contraditório - "Se você realmente, realmente não quer um bebê que faça qualquer diferença, você poderia nao ter um."
Leach é uma pesquisadora senior honoraria na Clínica Tavistock e do Instituto de Estudos da Criança, Familia e Questões sociais. Ela tem co-dirigido o maior projeto de investigaçao do Reino Unido sobre diferentes formas de cuidar des criança menores de cinco anos. Seu trabalho de pesquisa, diz ela, tem mostrado que ter uma mãe, pai ou cuidador que responde ao bebê é um fator crucial no seu desenvolvimento, superando os efeitos da pobreza e da desigualdade.

"Nós descobrimos nossa própria investigação do cuidado da criança. Seguimos 1.200 pares de mães e bebês desde o nascimento até a escola estadual. Ficamos surpresos ao descobrir que as diferenças nos cuidados da criança não fazem tanta diferença quanto o esperado. O que faz a maior diferença é a capacidade de resposta do cuidador ".
Ela não está falando sobre a mãe que não pode ir para a cama por cinco minutos depois que o bebê começou a chorar e ela não està, de verdade, acusando as mães de uma geração anterior que deixaram o carrinho na parte inferior do jardim, de negligenciar seus filhos.
"Mas você pode dizer pelo som e, é claro, pelo que se observa, se um bebê tem choro intenso e de extrema angustia ", diz ela.

22 comentários:

Bia disse...

Ai Dina... tinha assunto menos polêmico não?
Olha, já vi inúmeras mães relatando que deixam os filhos chorando até dormir... eu não sei, eu acho maldade, mas não interfiro, sabe?

Quando o Theo chora, eu geralmente não pego looogo em seguida. Depende do choro.
A gente tem que saber dosar: não pegar instantaneamente porque pequenas frustrações fazem parte do desenvolvimento sadio da criança SIM. É preciso que elas aprendam a lidar com elas. Se for aquele chorinho manhoso, eu enrolo, converso, continuo fazendo o que estou fazendo, espero um pouquinho e o pego.

Porém, se for aquele choro desolador eu acho super CRUEL deixá-lo. O choro dele é real, o motivo é real, ele está procurando a sua referência-mor de aconchego que é a mãe. E o que você faz, vira as costas? Não. Você acalanta, é o ideal.

Sobre os tapas: eles não estão sendo necessariamente agressivos, eles estão liberando energia. É claro que não deve ser incentivar, devemos mostrar que isso é desagradável e não devemos chamar muita atenção pra isso.
No início eu ficava falando "não pode, bla bla..." e isso só o incitava. O melhor foi distraí-lo. Tipo "ih, vc me bateu mas eu fingi que nem vi..." Quer saber? Passou.

Temos aprendido aqui em casa que distrair é sempre a melhor opção pra tudo... tem certas coisas que a gente não aprende com livro nenhum, só na prática.

Beijos!

Bibi Elias disse...

Dina, concordo com a Bia. Acho tb que cada um conhece o filho que tem. Alguns choros do Theo nem lágrimas saem, ou seja, esse eu não acudo. Fica lá na pirraça até enjoar. Nem pena eu sinto! Já os choros sentidos (muitas vezes só ele mesmo sabe o pq daquele drama todo), são acudidos! Não tenho coragem de fingir q não estou vendo, até pq sou muito mole. Dói em mim!

Qto aos tapas, tb levo alguns, mas sei q não são propositais. Eles fazem sem saber que estão fazendo. E assim com a Bia, eu finjo q não vi. Minha mãe, infelizmente, ensinou Theo a bater c/ as mãos nas nossas bochechas p/ gente fazer barulho de "estouro". E aí ele se acha no direito de fazer isso com todo mundo. Aí, vou eu explicar q é por causa da brincadeira que a avó ensinou e tal... Parece desculpa esfarrapada, sabe?! Pedi p/ minha mãe não fazer mais isso pq não tava sendo legal.

Ufa!

Resumindo, ninguém melhor que nós mesmas p/ saber o que é bom ou ruim pros nossos filhos. Eu confio MUITO no meu instinto materno.

Beijuuuuuuuuuu em vcs

Eu e MEUS 3 AMORes disse...

Olha, mãe é um troço mesmo, que poder de evolução que nós temos!
Que me desculpem os homens e as não mães, mas realmente o cérebro da gente é obrigado a pegar no tranco.
Ta certo, tem mães que não se rendem ao chamado da natureza e acabam não entendendo direito o recado de Deus que é tipo: “acordaaaaaaaaaa pra vida minha filha” kkkkk

Eu deixei o Daniel chorar horrores, meu Deus, me dá até um aperto no peito, uma vontade de chorar com tamanha ignorância cometida com meu primogênito.

Tudo por conta de uma idiotice que era tentar ...seilá que nome dou pra isso, mas acho que era ...disciplinar, ensinar seilá o que para um bebê que ficou DEZ meses dentro de mim (sim, o Daniel é tão exceção que lá ficou ele 42 semanas)

Aí vou eu e toda minha ignorância deixá-lo chorar até ele .afff..aprender que o berço é lugar dele.Ele que até ontem estava num lugar quentinho, fofinho macio estaria fadado à solidão e a frieza do berço.

Ta bom, não me queimem, nem me processem, nem chamem o conselho tutelar. Já me redimi.

Eu aprendi com a vida, com meu bebê, com o nosso sofrimento e evoluímos.
Hoje sinceramente eu sou do time que não deixa o filho chorar no berço e nem em lugar nenhum. Por que na minha opinião o choro não ensina a superar frustração nenhuma, ele deriva de um medo, de um sentimento ruim. Como que uma coisa ruim pode gerar uma coisa boa, sinceramente acho que essa matemática não existe nesse caso.

Então não há preguiça nem irritação nesse mundo que me faça deixá-los chorar, contorno a situação com certa criatividade e todos se beneficiam com isso, inclusive os vizinhos néan?

Debora disse...

Xiii como e dificil ate de comentar!!hahaha

Visitando aqui seu blog e os de outras mainhas sempre vejo situações se repetirem e percebo que CRIANÇA É TUDO IGUAL (acredito que a grande maioria rsrsrs) é bom saber que situações dificeis acontecem SIM com todas as mães e seus filhos e cada uma discobre o melhor jeito de lidar com ela.
Fico encantada com o jogo de cintura de algumas mamães..
confesso que me falta na maioria das vezes
criatividade e jeito pra lidar com as birras ate por que ele ja sabe que se fizer qualquer gemido a mãe corre pra ver o que é (estou me policiando mais agora..fico por perto vejo a situação e então faço alguma coisa ou não)
Hoje sei como esses pequenos são muito mais espertos que imaginamos ou acreditamos, são observadores e descobrem rapidinho que se abrirem o berreiro conseguem o que querem afinal o que uma mãe não faz pra ver ser filhote bem.
O jeito é tentar equilibrar as coisas e ter muuuuuuuu....ita paciencia nessa hora!!

Besos ++ besos!!

Camilinha disse...

é realmente eu concordo com a Bia ²,é preciso saber identificar o choro as vezes conseguimos saber qd é manha ou não.

bjs

Luciane disse...

ai não tenho a minima ideia do que fazer, ainda não sou mae mas com os meus alunos que ja são grandinhos um colinho acalma qq choro seja ele de birra, de manha ou de raiva, é por isso que minhas costas estao detonadas, afinal eles tem 4 anos né!!!

mas que me dá uma dor enorme no coração ver a criança chorar ah dá sim

bjus

Lindinha* disse...

Questão bem difícil, eu ainda estou começando a conhecer minha filhinha de 3 meses, ela já tem choros diferentes, os que nem lágrimas escorrem e os desesperados, que sempre são atendidos imediatamente.
Ela dorme no bercinho que foi preparado pra ela com muito carinho desde 3 semanas de vida, as vezes dorme de imediato, outras reclama, (não chora) e voltamos no berço fazemos um carinho nela, ou eu ou o pai. Durante a noite ela anda reclamando querendo a chupeta, eu levanto e vou colocar a chupeta, mas isso tem acontecido até mais de 5 vezes numa noite, é desgastante pra mim, no outro dia eu que cuido dela, e preciso estar bem, vamos tentar não dar a chupeta pra ver como ela reage, mas tudo observando bem e com muita calma e amor.
bjs

Agnes, Mãe do Pedro Henrique disse...

muito bom o post amiga!
tbm não acho certo isso de deixar chorar. Nunca deixei Pedro chorando, eu não acho certo.
Ah quem diga que é melhor, eu não acho. Acho maldade mesmo.
oncordo em tudo com vc e acho q vc faz super certo.
bjos

Fabiana disse...

Eu não deixo Laura chorando.
Meu coração aperta...
=(

Biula disse...

Dina, bom dia!

Acompanho seu blog, gosto muito e hoje é a primeira vez que comento.
Claro que cada família é uma família, mas concordo totalmente com vc, deixar uma criança chorando angustiada na crença de que isso a está educando... pra quê?
Só se for para que ela aprenda que, por mais que peça ajuda ou carinho, receberá apenas indiferença, e isto da própria mãe..., humm, pra mim não dá, perdão.
A criança que chora demais acaba dormindo é de exaustão, horrível.
Aqui onde moro há uma menina que chora muito à noite para dormir, ficamos angustiados ouvindo aquele choro sentido; e há um menino que chora desesperadamente para não ir para a escolinha de manhã, e lá vai o pai levando o menino encharcado de lágrimas, com o rostinho vermelho, ai, eu não compartilho dessa forma de criação.
Violência não é só tapa, forçar atitudes precoces tb é.

Parabéns pelo blog, é muito bom!
Abraço,

(Mamãe) ~Pinel disse...

hAHAHA!
Adorei o vídeo, e também sou super contra deixar chorar...
Ah não ser no caso do meu irmãozinho, que já tem 3 anos, e faz birra. Nesse caso já conhecemos que é birra.

Mas mesmo assim, acho essencial coversar e quando é bebê ou ainda tem pouco mais de um ano, acho até covardia deixar chorando!

Posso até mimar minha filha com isso, mas que mãe aguenta ficar ouvindo o choro do filho sem sofrer também???

Beijo!

Rafa! disse...

Assunto pra dar pano pra manga né.
Aqui tbm estamos nessa fase de birras, manhas enfim aquela parte do crescimento/desenvolvimento que nossos rebentos tem que passar, e confesso tá sendo barra por aqui. Tô conseguindo lidar com ele na base do "tirar a atenção" dai dou outra coisa e passa, só que cada dia tá mais complicado agora começou as jogas pra trás, bater a cabeça no chão e abrir o berreiro, os berreiro dura 3 segundos os nãos não tem efeito. em resumo nunca passei por essa de deixar chorando ou não e nem sei qual seria minha atitude, pq temos q levar em consideração manhas, choro de verdade e td mais. Mas acredito mesmo que cada mãe faz o que toca o seu coração, cada mãe usa se instinto e faz ou tenta fazer o melhor pro seu filho.

=D

CAROL SATYRO disse...

Como diz o ditado, cada cabeça uma sentença...

Sinceramente, quando eu era pequena e chorava sem motivo, minha mãe me dizia: quer que eu te dê um motivo para vc chorar de verdade?... e me deixava lá.. até eu perceber que chorar não ia adiantar e eu parava sozinha... mas ela sabia identificar quando era pirraça, manha ou alguma necessidade..

Cada mãe sabe dentificar o choro do seu pequeno... cuidei do meu sobrinho desde que nasceu, pois minha irmã ficou internada por quase 7 meses desde o nascimento e depois acompanhei o seu desenvolvimento... e apesar de não ser mãe biológica, sei bem como é... hoje ele já tem 10 anos.. e minha irmã é falecida... e nós sempre seguimos a linha da minha mãe...

Não acho maldade de jeito nenhum... maldade e vc ver o seu filho com fome, saber que ele precisa de algo e não fazer... agora pirraça, birra e mãnha... vai chorar até aprender que nem sempre podemos ter tudo o que queremos...

Cada um sabe o que é melhor para o seu bebê...

Bem... essa é a minha opinião..

Dê Freitas disse...

Ai Dina, nem me fala...embora a Manuela não faça ainda dessas, ela já está na fase de testar nossa autoridade (pelo menos, assim me disse a pediatra). Então ela chora qdo tiramos o controle da mão dela, se joga pra traz. Eu tb nunca a deixei chorar pq honestamente, com 8 meses, com certeza isso não iria ajudar. E eu não consigo e não concordo (ao menos por enquanto).

Mas por outro lado, morro de medo dela ser uma criança birrenta. Então sempre que ela faz algo de errado eu falo: Não, assim não pode filha. E sabe que acho que ela andou me fazendo uma chantagem emocional?

Deixa eu explicar. Ela tem mania ficar puxando alguma coisa em qto mama no peito. A última coisa que ela resolveu puxar agora são meus cabelos. Daí que eu não deixei. Tirei da mão dela e ela começou a chorar e se jogar pra traz. Eu usei o meu discurso do não e....menina, acredita que ela ficou o dia inteiro sem mamar? Tá, na verdade foi uma das mamadas 9já que ela almoça e como a fruta). Daí no outro dia, na hora de mamar, ela começou a chorar e não pegou meu peito de novo (detalhe: meu cabelo estava preso). Daí de tarde, qdo ela foi mamar, ela chou uns fios soltos e começou a puxar. Eu tirei novamente e ela ameaçou a chorar. Daí eu deixe e ela mamou puxando e olhando bem no meu olho como quem diz: Quem manda aqui sou eu.

Eu fiquei p da vida com a situação...não queria ter me rendido....mas o que eu ia fazer? Deixar ela desmamar? Sim, pq nessa ela pulou 3 mamadas. Tive até que dar fruta numa delas pra ela não ficar de barriga vazia....é mole?

Aff...desculpe o texto longo, rsrs...mas precisava desabafar!

Naná Jacob disse...

oi Di, eu também to muito feliz, obrigada pelos parabéns...

vou pra aí em dezembro, quero muito conhecer vc e o Lipe..

já falei com a Tati também..

beijos

selma pereira disse...

Oi Dina....Realmente isso de deixar a criança esguelando sozinha não acho legal e até uma covardia. Penso que temos que acudir a criança, ver o porque realmente ela está chorando para despois tomar uma atitude.

Claro que existe os choros manhosos ou birras, mas existem outras formas de mostrar que não se pode fazer determinada coisas sem deixar os coitadinhos jogados ou presos em cercadoe e berços chorando sozinhos.

Bjs.
Selma

Julie disse...

Nossa Dii, que assunto complicado! Mas acho que só quem é MÃE que sabe responder, né?! rsrs

Um beijoo

Juliana disse...

Eu não sei deixar a ISabella chorando, minha avó quase morre pq diz que eu to deixando ela mimada e sem educação, mas eu não consigo, me dá uma dor no peito ver o meu anjinho chorando.

Sandrinha disse...

Oi Dina!
Nossa a postagem de hoje é mto polêmica!
Acho q nós mães devemos saber identificar cada chorinho de nossos filhos e dentro do possível confortá-los.
Cada mamãe tem q aprender e saber como lidar com seu filhinho, acho q não existem regras e sim mta intuição e amor.
Tenha um lindo final de semana.
Bjs!!

Gravida e Gata (by Dani Donda) disse...

Eu tb li o desabafo da NINA....
Bem, como a maioria dos coments, só acudo qdo sei que devo.


Manhas, finjo não ver.
Coloco Tiguim sentado no sofá e digo: Não desce!
Ele obedece, mas choraaaaa.
Meu cantinho da disciplina é a cama ou o sofá.

Nunca bati, ainda!
Sou a favor das palmadas sim.
Só não tomei coragem de por em pratica.

Tiguim tá merecendo levar uma chinelada, mas cade a coragem?

Branquinho disse...

Dina, complicado, meu filho ainda não chegou nessa fase, mas por conscidencia, coloquei umm post no meu blog sobre o medo de errar. Eu estou no dilema de desmamar de madrugada ou não.. to bem em crise sabe? ainda não pensei como vai ser quando ele começar a aprontar,

Luana disse...

Dina,
Aqui na minha casa nunca deixei minha filha chorar e o meu bebê que está a caminho educarei com o principio "de que tudo isso é uma faze" não acredito que colo, e carinho "estraguem" uma criança minha filha tem 8 anos e é super generosa e carinhosa com outras crianças tem paciência e sabe partilhar... por ela já cresceu e hj tem mais maturidade pra entender pq não pode certas coisas.
Acredito que paciencia e amor sempre são otimas aliadas.
Quando ficava muuuito nervosa colocava uma musica prá poder cantar um pouco, pra poder tomar folego e logo o meu equilibrio.
Funcionou com a Rafa e vou azer igual com o filhote que vem ai.
bjuu